quarta-feira, 3 de junho de 2020

Fábio Trad participa de ato nacional em defesa da liberdade de Imprensa

Ato contou com participação de entidades de classe, que denunciaram aumento expressivo da violência física e verbal contra profissionais da imprensa


O deputado federal, Fábio Trad (PSD/MS), participou do “Ato em Defesa da Liberdade da Imprensa: Imprensa Livre, Democracia Forte", realizado na manhã desta quarta-feira (3) via redes sociais.

Iniciativa da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e dos líderes da oposição ao Governo na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, o ato foi promovido em homenagem ao Dia da Imprensa (01 de junho), porém com forte tom denuncista.

“Não tivemos, desta vez, muito o que comemorar. O Portal Imprensa contabilizou, até 15 de maio, 60 jornalistas mortos pelo novo coronavírus. Essa é a estatística sinistra dessa guerra sanitária tão mal conduzida pelo governo federal”, lamentou o presidente da ABI, Paulo Jerônimo.

Citando dados do Portal Imprensa (http://portalimprensa.com.br/), a presidente da Federação Nacional dos Jornalistas, Maria José Braga também responsabilizou o presidente da República, Jair Bolsonaro, pela forma agressiva com a qual se dirige frequentemente à Imprensa e a jornalistas que cobrem o noticiário político.

“Em comparação com o ano passado, a violência contra jornalistas no Brasil cresceu 54%. E, o mais grave, o presidente do país foi responsável por cerca de 58% desses ataques desferidos genericamente à imprensa e a jornalistas em particular. Nos primeiros quatro meses de 2020, desferiu 179 ataques à imprensa e a jornalistas”, citou, destacando que tal atitude afronta não apenas o decoro e a liturgia do cargo, mas a própria Constituição Federal.

Um outro levantamento, da organização governamental Repórteres Sem Fronteiras, aponta que o presidente Bolsonaro foi responsável por 32 ataques verbais ou ofensivos à imprensa nos primeiros meses deste ano, uma média de um a cada três dias.

O estudo, que divulga trimestralmente violações à liberdade de imprensa no Brasil, revela que o presidente executa 15 ataques a jornalistas nesse período, sendo cinco deles vítimas de mulheres.

Segundo o deputado Fábio Trad, é impossível pensar em Democracia num país sem liberdade de expressão e em liberdade de expressão com Imprensa coagida e intimidada.

“Ameaças à Democracia e ataques à Imprensa não podem ser confundidos jamais com liberdade de expressão. Sem jornalismo não existe Democracia! A Imprensa cumpre seu papel essencial de levar a informação ao cidadão e cidadã para que eles formem seu juízo sobre o que está acontecendo na sua cidade, no seu estado, no seu país, e possam agir como cidadãos e cidadãs. Por isso é também imprescindível que haja de fato essa defesa das instituições democráticas e, entre essas instituições, está a Imprensa, em especial, seus trabalhadores e os jornalistas brasileiros”.

Também participaram da live a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), a Associação Brasileira de Jornalistas (Abraj) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Nenhum comentário: