segunda-feira, 17 de junho de 2019

TRISTE, MUITO TRISTE.

Ao tomar conhecimento, no dia de ontem, de mais uma morte com fortes indícios de suicídio nas fileiras da Polícia Militar, fiquei muito entristecido e estarrecido. As principais causas que tem levado um policial a essa atitude extrema são a pressão e as condições deficitárias de trabalho, ou seja, o trabalho que deveria ser fonte de prazer e crescimento acaba se tornando um motivo de dor, sofrimento e solidão.

O policial não é super-herói e a depressão não é frescura, pois como sabemos os transtornos psiquiátricos são as principais causas de incapacitação em nosso país. Um recente estudo da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) aponta que os policiais e bombeiros militares tem menor expectativa de vida (58,6 anos) por estarem expostos ao estresse ocupacional, que favorece o desequilíbrio hormonal e outras alterações, levando a morte prematura.

A rotina de serviço traz o agravamento da saúde devido o estilo de vida que leva a alimentação desbalanceada, irregularidade da rotina do sono, isolamento social, etc. Nessa esteira de raciocínio temos que ter a grandeza e visão institucional de colocar na pauta de discussão urgente na corporação, como já tinha afirmado várias vezes anteriormente: a regulamentação da carga horária; a implantação do Código de Ética em substituição ao anacrônico e ultrapassado Regulamento Disciplinar (e consequente melhoria nas relações interpessoais); a implantação da assessoria jurídica para os casos que envolvam a atividade profissional; a melhoria das condições de trabalho; a inclusão de pessoal para fazer frente a demanda crescente por segurança pública e que sobrecarrega, principalmente, o policial da linha de frente; um salário digno e condizente com a importância do profissional do setor e também a criação de um Centro de Atendimento Biopsicossocial.

No âmbito estadual de MS temos um estudo bem recente apresentado no Curso Superior de Polícia (PMMS/UEMS) que afirma que a maior causa de afastamento laboral de policiais militares, superior a 15 dias, são os transtornos mentais e comportamentais. Precisamos agir urgentemente partindo do pressuposto da responsabilidade compartilhada.

Nenhum comentário: