sábado, 24 de novembro de 2018

Contrabandistas tentam subornar PM´s e acabam presos em flagrante por corrupção

Suspeitos trafegavam pela MS-141 em ziguezague e foram denunciados por outros condutores.

Dois homens de 24 e 44 anos foram presos na madrugada deste sábado (24) por contrabando, corrupção ativa, desobediência e resistência. A dupla fazia o transporte de grande quantidade de mercadorias contrabandeadas do Paraguai e foram descobertos após zigue-zague na MS-141, no Distrito de Nova Casa Verde.

Durante patrulhamento ostensivo e preventivo equipe de Força Tática recebeu uma denúncia de que uma caminhonete Ford Ranger, prata, trafegava em ziguezague pela MS-141. Os policiais localizaram o veículo e emitiram sinais sonoros e luminosos, que foram desobedecidos.

O condutor tentou fugir, mas foi alcançado. Ele e o passageiros são residentes de Pirapozinho-SP. Em revista pessoal foi encontrado com o condutor R$ 9.800,00 e com o passageiro, R$ 308,00. Durante revista no carro, na carroceria da caminhonete foram encontradas 30 caixas de bebida, 03 malas de fibra, 01 furadeira marca e 01 máquina de cortar cabelo profissional.

Todos os produtos eram de origem Paraguaia e não possuíam documentação de importação. Os suspeitos se contradisseram nas respostas quanto ao destino da mercadoria e ofereceram dinheiro aos policiais. Foi dada voz de prisão aos indivíduos, que resistiram.

Durante a ocorrência, o celular do passageiro não parava de tocar, e perguntado ao mesmo do que se tratava, ele afirmou participar de grupos do WhatsApp, onde o intuito era informar se o trajeto que faziam estava livre de fiscalização, para que demais veículos com mercadorias contrabandeadas pudessem chegar ao seu destino. As mercadorias foram levadas ao quartel do 8º BPM de Nova Andradina para, posteriormente, ser encaminhada à Receita Federal.

quinta-feira, 22 de novembro de 2018

Projeto social da AME-MS propicia lazer a crianças e adolescentes da capital

Cumprindo seu papel social, a Diretoria da Associação dos Militares Estaduais (AME-MS), tem desenvolvido um Projeto, junto aos estudantes das escolas públicas de Campo Grande, com o objetivo de propiciar lazer a crianças e adolescentes da nossa capital.

Dentro de um calendário mensal é estabelecido pela Diretoria da entidade, um dia da semana, onde o projeto visa oferecer lazer a nossa juventude campo-grandense, onde é disponibilizado o espaço do complexo de multi atividades da entidade, que conta atualmente com três piscinas e um tobo-água.

Nesta mês a unidade atendida foi a Escola Municipal Dr Eduardo Olímpio Machado. Esta iniciativa já atendeu milhares de crianças das Escolas Municipais e Estaduais de Campo Grande.

Maiores informações com o Ten BM Fernando Jorge Brandão Ferreira, Gestor do Clube e Diretor de Patrimônio e Obras da AME-MS, pelos telefones 3027-1434 e 996779422.

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Major da Polícia Militar chega em 1º lugar na Corrida de Orientação dos Jogos Brasileiros das Instituições de Segurança Pública

Representando a Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul na primeira edição dos Jogos Brasileiros de Segurança Pública – I JOBIS, que está sendo realizado em Florianópolis – SC, na categoria H Aberto de Corrida de Orientação, o major PM Anderson Machado Padilha, se consagrou campeão absoluto na modalidade nesta manhã (02/11), obtendo o 1º lugar.

A Delegação da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul conta com vinte e nove policiais para competir no I Jogos Brasileiros das Instituições de Segurança Pública.

Além da Corrida de Orientação a instituição participará nas seguintes modalidades: futebol society master, atletismo, tênis, natação, corrida rústica, judô, jiu-jitsu e tiro esportivo.

Os Jogos Nacionais das Instituições de Segurança Pública iniciaram no dia 1º de novembro e finaliza no dia 10 de novembro de 2018.

quinta-feira, 1 de novembro de 2018

Fábio Trad tem papel fundamental como relator do projeto de proteção aos animais

Texto prevê detenção de três meses a um ano e aumento de até um terço da pena em caso de morte do animal
Abusar, maltratar, ferir e mutilar animais, sejam eles silvestres, domésticos, nativos ou exóticos, está prestes a se tornar crime no Brasil, com sanções e detenção de três meses a um ano, além de multa e aumento de um sexto a um terço da pena, em caso de morte do animal.

Este é o teor de um Projeto de Lei (3141/12), que criminaliza as práticas de zoofilia (prática de atos libidinosos contra animais) e que aguarda votação em plenário após aprovação na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania da Câmara (CCJC).

O projeto contou com o apoio fundamental do deputado federal Fábio Trad (PSD-MS), relator do texto na principal comissão da Casa.

“O presente PL está em consonância com nações já mais desenvolvidas em matéria de Direito Animal, tais como os países nórdicos e os EUA, os quais já possuem políticas voltadas para o combate da zoofilia desde os anos 1990”, disse o deputado federal Fábio Trad (PSD-MS) ao aprovar a constitucionalidade e o mérito do texto durante a sessão da CCJC.

O parlamentar aproveitou a ocasião para elogiar o autor do projeto, o deputado federal Ricardo Izar (PP-SP), nacionalmente conhecido por sua atuação na defesa do direito animal.

“Ninguém mais defende os direitos dos animais nesse parlamento que o deputado Ricardo Izar, mas entendo até que ele foi parcimonioso na notificação da pena. De qualquer forma, fica aqui o reconhecimento pelo acerto do projeto, no entanto faço questão de registrar a advertência de que há espaço para aumentar a pena, respeitando os princípios da racionalidade e da razoabilidade”, finalizou Fábio.

O PL 3141/12 altera artigo 32 da Lei 9605, de 1988, de Crimes Ambientais que dispõem sobre as sanções penais da prática de atos lesivos à fauna.

Além disso, o projeto também prevê sanções a quem provocar, pela emissão de efluentes ou carreamento de materiais, o perecimento de espécimes da fauna aquática existentes em rios, lagos, açudes, lagoas, baías ou águas jurisdicionais brasileiras, com pena de detenção de um a três anos ou multa, ou ambas, incorrendo nas mesmas penas quem causar degradação em viveiros, açudes ou estações de aquicultura de domínio público.

Também passíveis de pena estarão aqueles que exploram campos naturais de invertebrados aquáticos e algas sem licença, permissão ou autorização da autoridade competente, bem como quem fundeia embarcações ou lança detritos de qualquer natureza sobre bancos de moluscos ou corais, devidamente demarcados em carta náutica.