quarta-feira, 8 de agosto de 2018

Fábio Trad é relator de projeto que cria um marco na valorização dos profissionais da educação

Proposta na área foi aprovada pela Câmara dos Deputados e agora segue para análise do Senado
deputado federal Fábio Trad (PSD/MS) afirmou que o projeto de lei sobre diretrizes na educação escolar básica cria “marco regulatório” e valoriza profissionais da área. O parlamentar foi relator da proposta apresentada pela deputada federal Dorinha Rezende (DEM/GO) e aprovada pela Câmara Federal.

De acordo com o projeto de lei, profissionais da educação são os que exercem a função de docência ou suporte pedagógico, que é a direção e administração escolar, planejamento, inspeção, supervisão e orientação educacional. A medida cria planos de carreira e ingresso por meio de concurso público de provas e títulos, entre outras medidas.

“Foi uma honra que assumi com muita responsabilidade, afinal trata-se de um momento histórico. Esse projeto de lei estabelece um marco regulatório para a devida valorização dos profissionais da educação escolar básica, garantindo, na forma da lei, planos de carreira, com ingresso via concurso público de provas e títulos àqueles das redes públicas”.

A proposta prevê, ainda, que os planos de cargo e carreira estimulem o desempenho e desenvolvimento profissionais, além de formação continuada para atualização dos profissionais e condições de trabalho que favoreçam o processo educativo.

Na defesa do projeto, o deputado Fábio Trad destacou também as diretrizes que servirão de base para os planos de carreira dos profissionais da educação escolar pública, como a organização da carreira considerando a possibilidade de progressão funcional periódica e desenvolvimento profissional e a inclusão de requisitos para a evolução na carreira. A medida foi aprovada na Câmara dos Deputados e seguirá para análise do Senado.

Após Fábio Trad reassumir o mandato, balanço mostra que MS melhorou sua posição no ranking nacional

Balanço das atividades divulgado pela Câmara dos Deputados mostra que se na média nacional o desempenho dos parlamentares deixa muito a desejar, no que diz respeito ao Mato Grosso do Sul a população parece ter finalmente ter encontrado ao menos um motivo para comemorar. Com uma bancada formada por oito representantes, o Estado melhorou a sua posição no ranking nacional após o deputado Fábio Trad ter reassumido o mandato, em dezembro do ano passado.

Os números divulgados demonstram a sua boa performance e um desempenho acima da média, resultado de um trabalho cuja aferição aparece justamente no momento em que a classe política está em sua pior fase na avaliação da população.

“Fomos surpreendidos com a divulgação desses resultados, principalmente pela posição que conquistamos, mas é imperioso admitir que eles reforçam em nós a crença de que é possível fazer a boa política, direcionando as ações parlamentares sempre com o objetivo de cumprir os compromissos que assumimos com a população. Os números nos deixam muito felizes e mostram que estamos no caminho certo”, disse Fábio Trad.

Com relação aos projetos apresentados por todos os 8 parlamentares sul-mato-grossenses, Fábio Trad é de longe o mais atuante. No total, foram 17 projetos apresentados, mais do que a soma do que apresentaram os demais deputados do Estado juntos. E são todas iniciativas importantes, na defesa dos idosos, pessoas deficientes, consumidores, mulheres vítimas de violência e Segurança Pública, dentre outras áreas.

Com relação aos gastos do gabinete, a chamada “cota parlamentar”, a média do deputado Fábio Trad é menos da metade que a dos sete demais deputados sul-mato-grossenses: R$ 104 mil contra R$ 212 mil. Em Brasília, abriu mão do uso de apartamento funcional, mora em hotel, e de carro oficial, locomove-se utilizando Uber e táxi.

terça-feira, 7 de agosto de 2018

Estatísticas da Polícia Militar apontam queda na maioria dos crimes em MS

Mato Grosso do Sul teve queda de 9% na quantidade de crimes registrados no primeiro semestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano passado. 

Conforme as estatísticas da Polícia Militar, o estado teve 38.301 ocorrências em junho, em torno de 3,8 mil a menos que em 2017.

A maioria dos casos é de furto. Essa infração soma 20.185 ocorrências, o que corresponde a metade do total. Houve redução de 2,4% na quantidade de registros desse tipo.

Com relação aos roubos sem morte, a PM registrou 9.965 ocorrências, das quais 238 foram cometidas em residências, 3.977 aconteceram em vias públicas e outros 309 vitimaram estabelecimentos comerciais. Em comparação com 2017, houve queda de 13%.

No grupo dos crimes contra a vida, houve 235 homicídios dolosos (redução de 5,2% em relação ao ano passado), 118 homicídios culposos no trânsito (-10,6%), 13 latrocínios (-13,3%) e 18 feminicídios. Este último teve crescimento de 12,5% entre os dois períodos comparados com dois casos a mais em 2018.

Campo Grande segue a mesma tendência do estado com relação aos números gerais. Houve queda de 4% no volume total de crimes, mas nos seis primeiros meses deste ano, a Capital viu crescer em 7,7% o número de furtos na cidade e em 250% a quantidade de latrocínios, que saltou de 2 para 7 em números absolutos.

Sobre o número de roubos seguidos de morte, o comandante-geral da PM, coronel Waldir Acosta, afirma que a elevação se deu pela quantidade de vítimas que reagiram aos assaltos que foi acima do normal, mas recorda que todos os casos foram investigados e resolvidos pela Polícia Civil.

“Com relação ao furto, nós temos buscado combater isso, ressaltando também que tivemos um aumento da nossa população de um ano para outro e isso acaba refletindo no aumento dos crimes”, explica.

O comandante ressalta que trabalhos voltados ao combate do tráfico de drogas são feitos para reduzir esses índices, já que a maioria dos pequenos roubos serve para angariar moeda de troca para entorpecentes.

O Comandante-geral comemora a queda nos índices e atribui o resultado ao trabalho de motivação dos militares. “Nossa riqueza é o material humano. O policial só faz a apreensão e a prisão se ele estiver motivado e fazendo as abordagens. Tivemos, além disso, várias operações que proporcionaram essa redução criminal”, pontua.

Ele reconhece também que os resultados só foram possíveis pela união de todas as forças de segurança. “É um trabalho em conjunto”.

segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Batalhão de CHOQUE prende quadrilha que cometia assaltos com Clio roubado na Bahia

O Batalhão de Choque da Polícia Militar prendeu quatro suspeitos de uma “onda” de assaltos em Campo Grande. Armado, o grupo usava um Renault Clio, com registro de roubo da cidade de Euclides da Cunha, na Bahia.

A prisão foi possível após vítimas de roubos relatarem características dos suspeitos e o carro usados nos crimes. Durante rondas pela avenida Aracruz, no Parque dos Novos Estados, equipe do Choque se deparou com um veículo semelhante e deu ordem de parada, que foi desobedecida. A polícia não tem o número de vítimas.

Após tentativa de fuga, o grupo foi alcançado próximo ao Jardim Montevideu, no cruzamento da Rua Panonia com a Itami. No carro estavam, o motorista Bruno Vilalva da Silva, de 23 anos, e os passageiros Lucas Gabriel Agostini de Oloiveira, de 18 anos, Heverton Nazareth dos Santos de Oliveira, de 18 anos, e Thiany Arruda D'ávila, de 34 anos.

Um dos ocupantes chegou a arremessar uma arma de fogo, revólver marca Doberman calibre .22 com duas munições, pela janela. Em pesquisa no sistema da polícia, os militares constataram um mandado de prisão em aberto contra Thiany.

Na casa de Bruno, foram localizadas no rack da televisão, duas chaves mixas e, em um dos quartos, em cima do guarda-roupa dois tabletes de maconha, que foram levadas a Denar e pesaram chegaram a 1,750 quilo.

Ainda no guarda-roupa foi localizada uma CNH (Carteira Nacional de Habilitação) em nome de Jamil Fernandes Alabi, que teve um Prisma cinza, de placas QAD 9077, roubado no dia 1º de agosto.

O Renault Clio foi levado para o pátio do Detran (Departamento Estadual de Trânsito). O grupo deve responder por porte ilegal de arma de fogo de uso permitido, associação criminosa, evasão de local de custódia e tráfico de drogas.