domingo, 17 de junho de 2018

BOPE mata um e prende o restante da quadrilha que “começavam” no ramo de furtos a bancos

O grupo que invadiu uma agência do Banco do Brasil na noite de ontem (16), em Terenos, estava começando no ramo de furtos a bancos, de acordo com o comandante do BOPE (Batalhão de Operações Policiais Especiais), major Wilmar Fernandes, que coordenou a operação no município. O caso aconteceu a 200 metros da delegacia de Polícia Civil da cidade.

No total, seis criminosos participaram diretamente da ação. Thiago Velasques de Souza, 31 anos, morreu em troca de tiros com a polícia. Adventor Brune Brandão, 46 anos, Denilson Moraes de Oliveira, 22 anos, Marilene Gonçalves da Silva, 44 anos, e Daniela Regina de Oliveira, 33 anos, foram presos. Um continua foragido.

Segundo o major, o BOPE foi acionado por volta das 21h. A informação era de que duas pessoas em atitudes suspeitas estavam dentro do banco. "Parte do grupo havia entrado para cobrir os sensores e colocar algo na porta para que ela não fechasse depois de um certo horário ”, explica.

Dois suspeitos que davam cobertura aos comparsas foram presos no entorno da agência. Um deles ainda conseguiu avisar os outros sobre a presença da polícia na cidade e os que estavam dentro do banco conseguiram fugir. Um dos integrantes da quadrilha armado com revólver 38 trocou tiros com a equipe policial e acabou ferido.

- Tatuagem com os dizeres "Banco Central" chamou a atenção de policiais envolvidos na ocorrência
(Foto: divulgação/Bope)
- Hoje de manhã ainda havia marcas no caixa eletrônico que os bandidos tentaram furtar dinheiro
(Foto: Bruna Kaspari)

Ele foi socorrido ao hospital da cidade, mas não resistiu. Foram apreendidos: um maçarico, um pé de cabra, um revólver 38 e um Chevrolet Corsa Sedan (de cor cinza). “Eles estavam começando no ramo. Não tinham poder aquisitivo. Normalmente uma quadrilha estabilizada usa explosivo - dispositivo caro que precisa de alguém para manusear”.

Tatuagem - Thiago Velasques tinha uma tatuagem do Taz Mania no braço. O personagem carrega um fuzil em uma das mãos com a inscrição Banco Central, agência que há 13 anos sofreu o maior furto a banco da história do país. Quase R$ 165 milhões foram levados da caixa-forte, em Fortaleza, no Ceará.

Ladrões entraram no banco por meio de um túnel e levaram mais de três toneladas em notas de R$ 50 passando por baixo de uma das mais movimentadas vias do Centro de Fortaleza, a Avenida Dom Manuel. O túnel partia de uma casa alugada pela quadrilha e tinha 90 metros de comprimento. O crime só foi descoberto no dia seguinte.

Nenhum comentário: