sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Em cada lugar, novos amigos.

Foto da última partida disputada no campeonato da OAB antes da cirurgia do joelho.

Uma ótima sexta e um belíssimo final de semana.

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

Medalha do Mérito Advocatício "Doutor Nelson Trad" será outorgada a personalidades em sessão solene na próxima quarta-feira

Os vereadores da Câmara Municipal de Campo Grande realizam nesta quarta-feira (13), às 19 horas, Sessão Solene de outorga da Medalha do Mérito Advocatício "Doutor Nelson Trad".

A homenagem foi instituída por meio das Resoluções n° 1.113/10 e nº 1.168/13. Na ocasião serão homenageadas diversas personalidades campo-grandenses em reconhecimento aos relevantes serviços prestados à sociedade.

A solenidade será realizada no Plenário Oliva Enciso, na sede da Casa de Leis, localizada na Avenida Ricardo Brandão, nº 1.600, Bairro Jatiúka Park.

Confira a lista dos homenageados:

Ademir Santana - Cid Eduardo Brown Da Silva e João Paulo Calves
Andre Salineiro - Leonardo Flores Sorgatto e Ademar Ocampos Filho
Ayrton Araújo do PT - Lucas Tobias Arguello e Luana Cristina Baptistotti Quinhonez
Betinho - Henrique Vilas Boas Farias e Jean Phierre Vargas
Carlão - Luiz Gustavo Martins Araujo Lazzari e Rodrigo Gonçalves Pimentel
Cazuza - Gilson Freire Da Silva e Karen Souza Cardoso Bueno
Chiquinho Telles - João Paulo Lacerda Da Silva e Antônio Cezar Lacerda Alves
Delegado Wellington - Fábio Rocha e Wellington José Agostinho
Dharleng Campos - Ulisses Duarte e Wilton Edgar Sá E Silva Acosta
Dr. Antonio Cruz - Diones Figueiredo Franklin Canela e Ademar Amancio Pereira Machado
Dr. Lívio - Bento Adriano Monteiro Duailibi e Bruno Terence Romero E Romero Gonçalves Dias
Dr. Loester - Oclécio Assunção e Mozanei Garcia Furrer
Dr. Wilson Sami - Ricardo Youssef Ibrahim e Lucas Orsi Abdual Ahad
Eduardo Romero - Pedro Moura Fé Elias e Marcelo Radaelli Da Silva
Enfermeira Cida Amaral - Adriano Araujo Villela e Ronaldo De Souza Franco
Fritz - Luciano De Miguel e Patrícia Dos Santos Alencar
Gilmar Da Cruz - Edson Macari e Arlindo Murilo Muniz
João Cesar Mattogrosso - Luis Gustavo Ruggier Prado e Gustavo Feitosa Beltrão
Junior Longo - Viviane Lacerda Lopes Nogueira e Eres Figueira Da Silva Júnior
Lucas De Lima - Walquiria Menezes Moraes e Gabriel Affonso De Barros Marinho
Odilon De Oliveira - Lauane Braz Andrekowisk Volpe Camargo e Eclair Nantes Vieira
Otavio Trad - Andressa Silva Rocha e Rafael Antunes Abud
Papy - Christopher Lima Vicente
Pr. Jeremias Flores - Viviana Brunetto Fossati e Nedir Martins Da Silveira
Prof. João Rocha - Orlando Arthur Filho e Roberto Santos Cunha
Valdir Gomes - Nilza Ramos e Laudson Cruz Ortiz
Veterinário Francisco - Fabio Isidoro Oliveira e Paulo Da Cruz Duarte
Vinicius Siqueira - Marcos Sborowski Polon e Elba Helena Cardoso De Oliveira Alves
William Maksoud - João Paulo Cestari Grotti e Fabio Azato

Câmara Municipal:

Anderson Régis Guimarães
Elvio Marcus Dias Araújo
Libera Copetti de Moura Pereira
André Luiz Gomes Antonio
Suzana Camargo
Osvaldo Gabriel Lopes
Ralphe Cunha
Guilherme Azambuja Falcão Novaes
Fabio de Melo Ferraz
Rafael Coimbra Jacon
Mônica Barros Reis

sábado, 2 de setembro de 2017

Você tem um álbum de saudades?

Eu tenho e nele coleciono saudades vivas. Saudades em forma de serena e perfumada lembrança.

Está guardado em local secreto, uma espécie de cofre de consciência no qual o segredo para abrí-lo não tem letras ou número, mas sentimentos.

Nas folhas que se sucedem, passagens e ritos se multiplicam em nomes e imagens que me libertam da escravidão do esquecimento. E deles me lembro, por isso que estão vivos.

Da minha infância, um gol de pênalti do Laurinho, irmão do Carlos Alberto Ribeiro Arruda, hoje médico renomado em Uberaba, na mini-quadra de piso amarelo da casa da Dom Aquino. Laurinho se foi aos 15 anos, atropelado no centro da cidade quando ia comprar uma peça para a sua bicicleta.

Das altas notas de matemática de dois amigos do primário, Rodrigo Calijuri Mello Vieira e Marcelo Gasparini Nachif, gênios da minha geração, moços de alma bem formada, estudiosos e solidários. Suas imagens estão coladas no meu álbum com destaque. Estão no Céu, ceifados que foram pelo trânsito.

Adiante, virando a página, tem a gelatina vermelha com côco ralado que se vendia na saída da escola, o picolé de Itú dos sorvetes Maly, do guaraná Tupi, dos bijús que se compravam de um rapaz que balançava uma tábua de ferro nas ruas, dos amendoins do Morenão aos domingos, dos carnavais de clube (Bloco Cê Que Sabe), das festinhas de sábado à noite com discos de vinil, das peladinhas de futebol nas ruas com gol formado de pedra ou chinelo, dos filmes de faroeste no auto-cine, da voz da Virginie do Metrô, dos sanduíches de madrugada na Dalva ou no Topo Gigio, da ponta de costela do Ponteio, dos pastéis do Bar do Paulo, das frutas da Califórnia da 14, do Gabura, dos “comerários” de verdade...

Vivi uma Campo Grande lírica e poética.. Ela não volta mais. Não é melancolia ou passadismo. É saudade. Sem tristeza. Um simples olhar de gratidão à vida. E de homenagem ao tempo.

Hoje, sim, tem coisas boas também. Tem shoppings, computadores, cafeterias, carros automáticos, drones, gps, sushis e sashimis em toda esquina, chips e TV digital. Amanhã, hoje será saudade. Ontem é ontem; hoje está hoje. Simples assim!

Os filósofos dizem que a vida plena é a vida vivida no ato e na potência. Vou além: a plenitude só se alcança quando presente a dimensão do passado em nossa vida. Assim, evitamos erros, valorizamos acertos e corrigimos rotas.

No meu álbum de saudades, não há folhas esmaecidas, porque o tempo não o desgasta, antes purifica, educando-o na humildade de jamais pretender ser melhor que hoje. Ele é feito de passado e nunca deixou de ser presente.

E você, como é o seu álbum de saudades?