quarta-feira, 28 de junho de 2017

Em defesa da morada de Edson, o pedreiro!

Escrevo esta singela petição ao Alexandre Modesto.

Para quem não sabe, Alexandre Modesto é o coordenador do cemitério municipal de Marialva, localizado na cidade paranaense de Maringá.

É o seguinte: em um dos mausoléus abandonados, reside o pedreiro Edson Carvalho. Sua antiga casa foi incendiada há mais de dez anos. Ele é sozinho no mundo. Sem lenço, sem documento, decidiu morar em um lugar tranquilo e aprazível. Escolheu o cemitério da cidade.

Pois bem, o Alexandre quer despejá-lo de sua casa sob o argumento de que cemitério não é morada dos vivos.

Venho, humildemente, por meio desta, pedir ao coordenador Alexandre Modesto que não execute a ordem de despejo contra o pedreiro Edson e o faço sob as seguintes razões:
  • a) Considerando que até o presente momento, a crença de que existe vida após a morte não foi refutada por nenhuma inteligência, não há diferença alguma entre a vida do pedreiro e a vida dos demais moradores do cemitério. Todos eles estão vivos, cada um do seu modo.
  • b) Considerando que o mausoléu onde reside Edson estava jogado às traças, a presença bem-intencionada do pedreiro é um sinal de respeito ao corpo sepultado cuja alma, de onde estiver, deve estar satisfeita com o gesto desassombrado do incomum mortal.
  • c) Considerando que Edson poderia estar nas ruas, quiçá roubando e matando, sua opção por isolar-se no cemitério, vivendo como ermitão, é socialmente vantajosa.
  • d) Considerando que o pedreiro é uma pessoa de bem, assim referido pelas testemunhas, sua presença diuturna no campo-santo é fator de inibição para necrófilos, ladrões de túmulos e drogados baderneiros.
  • e) Considerando que, por motivos óbvios, a decisão de Edson não será seguida por nenhuma pessoa, a paz e a tranquilidade do sepulcrário não estão ameaçadas com a sua solitária presença.
  • f) Considerando que, nestes onze anos de hospedagem, não houve qualquer registro de desinteligência entre Edson e seus vizinhos, presume-se que a sua companhia foi aceita e é desejada pela comunidade espectral e isto precisa ser respeitado.
Por todo o exposto, Senhor Coordenador, suplico-lhe reconsiderar o despejo do pedreiro Edson Carvalho. Por amor e respeito a todos os vivos; tanto os daqui, quanto os de lá...

Pelo deferimento.

Pedreiro mora há 11 anos dentro de túmulo no Paraná http://tnonline.uol.com.br/noticias/cotidiano/67,420399,27,06,pedreiro-mora-ha-11-anos-dentro-de-tumulo-no-parana.shtml via @tnonline

Nenhum comentário: