segunda-feira, 24 de abril de 2017

Uber tentou enganar a Apple e quase foi banido da App Store

A Apple é conhecida por ser bem chata rigorosa nas aprovações de aplicativos na App Store, tanto que já vimos muitos casos de apps que foram banidos por não respeitarem as regras. Há quem seja menos honesto e tente enganar a equipe de análise, mascarando funções na tentativa de não serem descobertos.

Foi o caso do Uber, que tentou fazer isso com o seu app e quase foi expulso da loja pelo próprio Tim Cook.

A história foi trazida a tona pelo jornal The New York Times, para somar à enorme lista de escândalos e polêmicas do serviço de motoristas particulares. Tudo isso aconteceu em 2015, ano em que o Uber estava crescendo em diversos países, inclusive no Brasil, e poderia ter posto muito a perder caso fosse banido do iPhone.

O que o Uber tentou fazer foi implementar uma maneira de identificar individualmente cada iPhone, para descobrir se o aparelho tinha o aplicativo instalado, e até mesmo se ele já tinha sido apagado anteriormente dele. Era quase uma impressão digital para identificar indivíduos, algo que a Apple proíbe há tempos para proteger a privacidade dos usuários.

Sabendo que a Apple não aprovaria o aplicativo assim, eles resolveram fazer um truque: implementaram um código que criava uma “cerca geográfica“, que fazia com que a nova funcionalidade ficasse escondida quando o aplicativo fosse usado na área próxima ao campus da Apple, onde os apps eram analisados e aprovados. Com isso (na teoria), a Apple nunca saberia que o aplicativo rastreava os usuários.

Mas algo deu errado e a maçã descobriu. Tim Cook chamou para uma reunião o CEO do Uber, Travis Kalanick, e disse: “Parece que vocês estão quebrando algumas de nossas regras“. Cook ameaçou banir o aplicativo da App Store se eles continuassem tentando trapacear. Visto que o prejuízo do Uber seria enorme se ele não pudesse ser usado no iPhone, Kalanick aceitou retirar a função.

O Uber argumenta que fez isso para impedir fraudes, mas o fato é que o fim não deve nunca justificar meios ilícitos. Eles quiseram trapacear para não cumprir uma regra que todos os outros apps são obrigados a respeitar.
blog do iPhone

Nenhum comentário: