sábado, 7 de janeiro de 2017

UM ARRANJO

Você vem comigo?

Destelhei setembros
E atrasei a melancolia outonal das primaveras tardias
Plantei ao longo do trieiro alguns caminhos de miosótis
Caminhos de não me esqueças

Você vem comigo?

Vamos sair de sol a pino
Irrequietos em respostas que se não perguntam
Se vamos, que saiamos nus, mas ensolarados
A desfolhar camélias, a cortejar as madrugadas

Você vem comigo?

Então, andemos.
Ainda me sobram tenros pedaços de ontem
Quatro das sete marias, uma e outra cirandinha
Dez mentiras verdadeiras, um batente, um parapeito
E – surpresa! - alguns agostos calmos!

Você vem comigo?

Nenhum comentário: