sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Prefeito e Vereadores: devolvam-nos Campo Grande!

Terra arrasada, devastada, dizimada, destruída, bagunçada. Não exagero: o avião que levava Campo Grande rumo ao desenvolvimento caiu e os destroços estão espalhados por toda a extensão de seu território.

Aqui, não cabe investigar as razões que determinaram o acidente, embora saibamos todos que à imperícia dos “pilotos” somou-se uma série de turbulências que culminaram com a tragédia.

Olhemos para o horizonte, mas sem ignorar os buracos que podem nos engolir a qualquer tempo. Campo Grande vinha bem com Levy, Lúdio, Juvêncio, André e Nelsinho. Foram administrações que se notabilizaram pela competência na produção de resultados para a cidade.

A queda livre começou em 2013 com uma crise política sem precedentes que fez a cidade conhecer o avesso daquilo que estava acostumada a vivenciar.

Os buracos não estão apenas nas ruas, mas em todos os setores da administração, principalmente nas finanças. Não basta tapá-los. Urge construir um novo padrão de gerenciamento da cidade. Uma nova concepção de governança capaz de devolver à população o sentimento da esperança e orgulho de viver a sua cidade.

O prefeito eleito tem a missão de liderar um conjunto de medidas estruturantes que reconduza a cidade ao leito de sua vocação natural. Mas ele não está sozinho nesta jornada. Com ele estão todos os vereadores. A razão está na clareza da mensagem da eleição passada: o povo de Campo Grande quer a sua cidade de volta.

Nossa cidade é resistente, embora esteja com febre alta em decorrência de uma patologia política agravada por infecções oportunistas derivadas da crise econômica nacional que debilitaram perigosamente a sua estrutura vital. Pelo jeito, remédios amargos e dolorosos estão por vir. Não há vitória sem dor!

Se o objetivo é fazer o avião decolar com vigor e potência rumo ao progresso, Campo Grande não pode perder tempo e energia, tentando recuperar os destroços de um avião totalmente destruído.

Urge refundar a cidade para que sua verdadeira face seja reencontrada pelo seu povo. Não estamos reconhecendo Campo Grande. Exigimos a nossa cidade de volta. O desafio está posto na mesa nos seguintes termos: se os políticos eleitos em 2016 (Prefeito e Vereadores) não resgatarem Campo Grande, todos eles, sem exceção, cairão na vala comum do descrédito popular com imprevisíveis consequências eleitorais em suas biografias políticas.

Não adianta falar depois que foi oposição, porque o povo disse em alto e bom som que, ao menos até salvar a cidade, não quer saber de picuinhas políticas, mas de gestão competente e esta tarefa é de quem legisla, fiscaliza e administra o município. Prefeito e Vereadores, em nome de todas as gerações de campo-grandenses, aqui nascidos ou adotados, devolvam-nos Campo Grande!

Nenhum comentário: