quarta-feira, 15 de setembro de 2021

Pela primeira vez em 547 dias, CASSEMS não tem nenhum paciente internado em Hospital de Campo Grande

O registro é motivo de comemoração para profissionais e beneficiários




Após 18 meses de trabalho intenso, atendendo aos pacientes acometidos pela Covid-19 no Hospital Cassems de Campo Grande, pela primeira vez, há motivos para comemorar. Na última terça-feira (14), a Cassems não tem nenhum registro de pacientes internados pelo coronavírus na unidade hospitalar. Na mesma data, em 2020, o hospital registrava 35 beneficiários internados, entre suspeitos e confirmados pela doença.

Atualmente, em todo o estado, a rede própria da Caixa dos Servidores possui 4 pacientes acometidos pela patologia. O maior pico de casos de Covid-19 no Hospital Cassems Campo Grande foi em abril deste ano, com 77 leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e 172 leitos de enfermaria ocupados.

O fotógrafo Roberto Kelsson esteve internado no Hospital Cassems Campo Grande com Covid-19, nos meses de maio e junho, e conta seu relato com alegria. “Sou prova viva de como esses profissionais são incríveis no que fazem. Foram 50 dias internados no hospital e eu serei eternamente grato a cada atendimento humanizado que recebi. Isso tudo está passando e estamos vencendo essa doença”.

De acordo com o responsável técnico de Enfermagem do Hospital Cassems Campo Grande, Fábio Doneida, ter zero paciente no hospital é um alívio para os profissionais. “Esse número não é apenas uma celebração por não termos Covid no hospital, mas também por não presenciarmos pessoas sofrendo, com medo e ansiedade. Agora, vemos os resultados positivos da vacinação e isso nos deixa satisfeitos como seres humanos”.

O Hospital Cassems Campo Grande foi destaque no enfrentamento à pandemia de Covid-19, com uma estrutura de ponta e profissionais capacitados para prestar um atendimento humanizado. Por este motivo, em julho, o plano de saúde registrou o dado de 61% na taxa de recuperação da doença.

As adequações feitas pelo Hospital Cassems Campo Grande para assegurar a qualidade da assistência e a segurança dos profissionais de saúde e dos pacientes foram de definição estrutural das áreas Covid-19, como UTI e internação clínica, sala cirúrgica exclusiva para pacientes suspeitos ou confirmados para Covid, estruturação da tenda de Pronto Atendimento exclusivo para casos suspeitos e confirmados, oferta de testes para todos os colaboradores, deslocamento para home office dos colaboradores com fatores de risco, ações de distanciamento social em toda a unidade, inclusive áreas administrativas, triagem dos colaboradores e dos visitantes na entrada do hospital, fluxos internos separados e exclusivos para pacientes Covid-19, equipes exclusivas para atendimento nas áreas Covid-19, além do reforço nas capacitações de biossegurança.

Conforme explica Ricardo Ayache, presidente da Cassems, ter zero paciente na unidade hospitalar tem muito significado para o plano de saúde. “Esse dado nos traz grande emoção, porque nos faz revisitar tudo o que foi vivido ao longo desses 18 meses de muita tensão, muitas perdas, mas, sobretudo, de uma equipe lutadora, que se entregou ao enfrentamento da pandemia”.

Selo “Covid Free Excelente”
Em janeiro de 2021, o Hospital Cassems Campo Grande recebeu o selo Covid Free Excelente, do Instituto Brasileiro para Excelência em Saúde (IBES), por boas práticas de prevenção e enfrentamento à pandemia de Covid-19.

Esta certificação coloca o HCCG entre os cinco primeiros hospitais que possuem o selo no Brasil e o primeiro do estado, referendado pelo IBES. A certificação de boas práticas preventivas para o enfrentamento do coronavírus tem o papel de garantir ambientes seguros para produção, operação e/ou atendimento ao público.

O selo foi criado para apoiar as empresas a criarem e manterem um ambiente seguro para seus funcionários e seus pacientes.

terça-feira, 14 de setembro de 2021

Aprovado projeto de Fábio Trad que torna Campo Grande a Capital Nacional do Chamamé




Campo Grande, no Mato Grosso do Sul, pode receber o título de “Capital Nacional do Chamamé”. A Comissão de Cultura da Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (14), o Projeto de Lei 4528/19, de autoria do deputado Fábio Trad (MS), que confere o título à cidade. A proposta recebeu parecer favorável do relator, o também pessedista Darci de Matos (SC).

O Chamamé é um gênero musical oriundo da província de Corrientes, no norte da Argentina, que conquistou o gosto popular sul-mato-grossense quando os sanfoneiros tocavam nas festas regionais. Hoje está enraizado na cultura e na história do povo daquele estado.

“A concessão do título de Capital Nacional do Chamamé será uma justa homenagem não só à comunidade campo-grandense, mas a todos aqueles que têm um grande apreço pela arte musical”, ressalta Trad.

Patrimônio cultural
Segundo o parlamentar, o estilo musical expandiu-se em Campo Grande com compositores e intérpretes altamente qualificados, tornando-se o ritmo mais apreciado e difundido na capital sul-mato-grossense.

Esses fatos proporcionaram ao Chamamé um dia especial no calendário estadual, que instituiu 19 de setembro como “Dia Estadual do Chamamé” por meio da Lei 3.837, de 2009. Já em dezembro de 2020, o Chamamé foi declarado Patrimônio Cultural da Humanidade pela Unesco.

Agora em 30 junho de 2021, no Diário Oficial de Mato Grosso do Sul, o Chamamé recebeu o registro de Bem de Natureza Imaterial, passando a integrar a lista de bens do estado, de acordo a Lei Estadual 3.522, de 2008.

“A concessão do título é uma homenagem devida à capital sul-mato-grossense e apresenta o mérito de contribuir para difundir uma expressão cultural ainda desconhecida em outras regiões brasileiras”, diz o relator Darci de Matos.

Histórico
O estilo musical chegou ao sul do antigo Mato Grosso na primeira metade do século 20, trazido pelos imigrantes do Paraguai, que vinham atraídos por trabalho nas atividades agropecuárias. Logo conquistou o gosto popular, quando os sanfoneiros tocavam em festas regionais.

As raízes do Chamamé remetem-se a modificações do estilo musical da Danza Paraguaya (do espanhol, dança paraguaia), passando por influências regionais, inclusive ações da cultura guarani, de onde origina-se a palavra Chamamé, tendo como definição o termo “improvisação”.

Tramitação
O projeto de lei segue, agora, para análise da Comissão de Constituição e Justiça.

Foto: Cláudio Araújo

segunda-feira, 6 de setembro de 2021

Bataguassu, Corguinho, Juti e Ladário são contempladas com recursos para custeio dos serviços de atenção primária à saúde

Senador Nelsinho Trad conseguiu mais R$ 1,4 milhão do Ministério da Saúde para esses quatro municípios de MS




O senador Nelsinho Trad (PSD/MS) conseguiu, na última sexta-feira (3), a liberação de R$ 1,4 milhão do Ministério da Saúde para quatro municípios de Mato Grosso do Sul: Bataguassu, Corguinho, Juti e Ladário.  “São recursos para o incremento temporário ao custeio dos serviços de atenção primária à saúde para cumprimento de metas”, explica o senador Nelsinho Trad.

De acordo com as regras, não é permitido o uso do valor para pagamento de funcionários e compra de medicamentos. A Bataguassu, foram encaminhados R$ 600 mil. Ao todo, esse município, já recebeu R$ 3,4 milhões de recursos federais por intervenção do senador Nelsinho Trad. “Com esses R$ 600 mil, foram R$ 800 mil da Saúde e mais R$ 2,5 milhões da Funasa para obras de saneamento básico”, comentou.

O município de Corguinho também foi contemplado com R$ 200 mil do Ministério da Saúde e, do início do mandato do senador até o momento, já recebeu R$ 649 mil para ações na saúde pública.

Segundo o senador, Ladário totaliza R$ 400 mil na conta com recursos liberados do governo federal. “Conseguimos R$ 100 mil no ano passado para combate à covid e, agora, mais R$ 300 mil para custeio dos serviços de atenção básica”, disse.

Juti
O município de Juti recebeu R$ 300 mil de emenda do senador Nelsinho Trad para ações da saúde. Esse valor somado às liberações anteriores totalizam R$ 3,7 milhões. O prefeito Gilson Cruz (PSD) ficou satisfeito com a boa notícia. “Senador Nelsinho Trad é quem realmente está ajudando o município de Juti”, enfaizou o prefeito.

Mais de R$ 500 mil do Ministério da Saúde foram encaminhados para Juti, R$ 1,2 milhão do Ministério do Desenvolvimento Regional para obras de infraestrutura, drenagem e pavimentação de ruas e R$ 1 milhão da Funasa (Fundação Nacional da Saúde) para saneamento básico.

Reportagem: Neiba Ota
Foto: Luís Carlos Campos Sales

domingo, 5 de setembro de 2021

Diretoria da AME-MS comemora as promoções de Praças da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul




A Polícia Militar do Estado de Mato Grosso do Sul publicou nesta sexta-feira (03) no Diário Oficial do Estado de número 10.626 as promoções de 166 Policiais Militares do Quadro de Praças da Instituição.

Foram promovidos à graduação de Primeiro-Sargento 55 policiais militares, à graduação de Segundo-Sargento 110 policiais militares e uma Primeiro-Sargento promovida à Subtenente.

A diretoria da Associação dos Militares Estaduais de Mato Grosso do Sul (AME-MS) parabeniza todos os promovidos e salienta o compromisso com a valorização de todo o efetivo. “Essas promoções são merecidas, pois esses profissionais dedicam suas vidas para proteger a sociedade, independente das condições de trabalho, de promoções e, até mesmo, da pandemia. É muito bom tê-los motivados!”, disse o presidente da AME-MS, Thiago Monaco Marques.

terça-feira, 31 de agosto de 2021

Senador Nelsinho Trad, ao lado do presidente Kassab, inaugura o novo espaço do PSD no Senado Federal



A liderança no PSD no Senado Federal, sob a coordenação do senador Nelsinho Trad (PSD/MS), inaugurou nesta tarde o novo espaço do partido com o nome Senador Arolde de Oliveira, em homenagem ao parlamentar que morreu em outubro de 2020, aos 83 anos, vítima da covid-19. “Que aqui possa ser um local de união, que a bancada possa cada vez mais crescer e o senador Arolde, onde você estiver, estará aqui conosco em memória”, disse o senador Nelsinho Trad.

Com a participação de cerca de 100 pessoas – entre os 11 senadores pessedistas, o deputado federal Antônio Brito, o presidente da Casa Rodrigo Pacheco (DEM), o ministro Paulo Guedes, o ministro Ciro Gomes e o presidente do PSD, Gilberto Kassab, o novo espaço foi inaugurado para atender o segundo maior partido do Senado Federal (11 senadores) e um dos cinco maiores na Câmara (36 deputados), com expectativas de crescimento para as próximas eleições. “Nelsinho Trad e sua equipe nos oferecem algo extraordinário. Nós completamos aqui 10 anos, um sonho que começou lá na Bahia com Otto Alencar, Paulo Magalhães, e que trouxe no dia de hoje uma bancada com 11 senadores, graças a sua liderança, eficiência, concretizar essa aspiração”, destacou o presidente Gilberto Kassab.

O presidente do Senado Federal, Rodrigo Pacheco, considera um marco importante também para o Senado o novo espaço do PSD.  A liderança do PSD ocupa os gabinetes 20, 21 e 22 da Ala Senador Teotônio Vilela, no Anexo 2 do Senado. Eles manterão a nomenclatura mesmo que sejam transferidos para a liderança de outro partido ou que passem a ser usados para outras finalidades — como gabinetes de senadores. “Os meus cumprimentos a essa grande família do PSD, quero dizer a minha alegria de participar desse evento, da inauguração da liderança de um grande partido no Senado e no Brasil, um marco importante para o Senado também. Essa bela homenagem ao saudoso colega Arolde de Oliveira, me faz refletir o quão é passageira a vida”, comentou o presidente Rodrigo Pacheco.

A filha do Arolde de Oliveira, Marina de Oliveira Menezes, duas netas Luiza de Oliveira Gerk e Letícia de Oliveira Brizola e ex-colaborador do senador, secretário geral do PSD do RJ, Paulo Cesar Viera, participaram do evento. “Ele não foi político melhor do que um pai, minha mãe não pode vir, mas se sente profundamente honrada. A política era sua vida, ele amava tudo isso”. disse a filha Marina e Paulo Cesar Vieira enfatizou que o senador Arolde é era um homem sonhador e ficaria feliz com esse momento.

Neiba Ota