quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

União das Câmaras de MS prestará homenagem à personalidades com Troféu Nelson Trad

Entre os homenageados estão políticos, empresários, jornalistas e parceiros






No dia 28 de março deste ano a UCVMS (União de Câmaras de Vereadores do Estado de Mato Grosso do Sul) vai homenagear personalidades de destaque do Estado com a entrega do Troféu Deputado Nelson Trad. Entre os homenageados estão políticos, empresários, jornalistas e parceiros da entidade.

O evento comemora o aniversário de 22 anos da entidade criada em 1997 para defender a classe de vereadores de Mato Grosso do Sul. A festa acontece no dia 28 de março no Grand’ Mere Buffet com animação da Banda Lilás.

Entre os homenageados estão confirmados os nomes dos senadores Nelsinho Trad (PSD-MS) e Álvaro Dias (Podemos-PR); da ministra da Agricultura Tereza Cristina; deputado federal Fábio Trad; presidente da Famasul, Maurício Saito; presidente da OAB/MS -, Mansour Karmouche; presidente da Assomasul -, Pedro Caravina; desembargador do TJMS, Alexandre Bastos, entre outros.

Também serão homenageados outros empresários, jornalistas, prefeitos e vereadores que tiveram atuação destacada durante o ano de 2018.

Nelson Trad

Nelson Trad nasceu na cidade de Aquidauana no dia 30 de outubro de 1930 e morreu em Campo Grande no dia 7 de dezembro de 2011. Foi um dos mais brilhantes advogados de Mato Grosso do Sul, professor universitário e exerceu os cargos de vice-prefeito de Campo Grande, deputado estadual e deputado federal, eleito pelo Mato Grosso indiviso e depois pelo estado de Mato Grosso do Sul.

Foi cassado pela ditadura militar quando era vice-prefeito de Campo Grande (1964) e só retornou á lide política no fim da década de 1970 (1979) quando foi assinada a anistia pelo então presidente general João Baptista Figueiredo.

Filho do cônsul libanês Assaf Trad e de Margarida Maksoud, imigrantes libaneses, casou-se com Therezinha Mandetta e teve cinco filhos: Fátima, Maria Thereza, Marquinhos, Fábio e Nelsinho, sendo os três últimos também políticos.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2019

Mandetta foi ameaçado por intervir contra fraudes em hospital no Rio

Ministro foi intimidado por meio de ligações telefônicas
O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM-MS), teria sido sido ameaçado por meio de ligações telefônicas, horas antes de interferir na gestão do Hospital Federal de Bonsucesso, segundo relatos de médicos da unidade ao jornal Extra, do Rio de Janeiro.

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, disse ao diretor interino do Hospital Federal de Bonsucesso, no Rio de Janeiro, Paulo Roberto Cotrim de Souza, que equipe do governo federal sofreu ameaças ao visitar o hospital para iniciar a elaboração de um plano de melhoria do atendimento ao público. Bebianno revelou as ameaças em um encontro no Departamento de Gestão Hospitalar do Ministério da Saúde, no centro do Rio de Janeiro.

O encontro, na última quarta-feira (6), reuniu Bebianno, o ministro da Saúde e diretores dos hospitais federais. Na reunião, foram apresentadas as primeiras propostas de ação para melhorar o atendimento e a gestão nas unidades. “O hospital de Bonsucesso foi o único que tentou intimidar parte da nossa equipe”, disse Bebianno.

No início do mês, Mandetta afirmou em entrevista à GloboNews, que o governo federal enviará uma força-tarefa nos seis hospitais federais do Rio de Janeiro. O objetivo é evitar fraudes e melhorar o serviço. O ministro fez uma visita surpresa ao hospital.

Há duas semanas, o Ministério da Saúde exonerou a diretora do Hospital Federal de Bonsucesso, Luana Camargo. A unidade sofria com ar-condicionado sem funcionar, superlotação e faltas de médicos a plantões. Além disso, funcionários do hospital afirmavam que ex-diretora nomeou indicados políticos e pessoas sem experiência.

O ministro Bebianno disse que o governo apura as ameaças. Diante das intimidações relatadas por ele em vídeo, o ministro disse que não há somente suspeitas, mas “fortes indícios e depoimentos”.

“Não só suspeitas como fortes indícios e depoimentos. Estamos apurando. Não podemos afirmar, ainda, em definitivo, se há ou não o envolvimento direto de milícias na gestão do hospital de Bonsucesso. O que podemos assegurar é que há muita coisa estranha por lá. Não nos intimidaremos por pressões ou ameaças, veladas ou explícitas. É vontade do senhor presidente da República a recuperação dos seis hospitais federais do Rio de Janeiro. Missão dada é missão cumprida”, disse Bebianno.

O caso está sendo investigado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin). A reportagem procurou o Gabinete de Segurança Institucional (GSI), ao qual a Abin, é subordinada, mas não obteve resposta até a última atualização desta reportagem.

CCJ do senado será presidida pela sul-mato-grossense Simone Tebet

Nome da senadora de MS é o favorito do PSDB para o cargo, mas para isso precisa de indicação do MDB, seu partido atual.
Simone Tebet foi recebida com festa no Aeroporto da Capital (Foto: Paulo Francis)

A senadora Simone Tebet (MDB) já fala como presidente da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça). Ao desembarcar no Aeroporto Internacional de Campo Grande na tarde desta quinta-feira (7), a parlamentar disse que “quem vai comandar a CCJ será uma mulher sul-mato-grossense”.

Simone lembrou que regimentalmente quem indica o candidato é o PSDB, pelo tamanho da bancada, porém os tucanos declinaram em favor dela. “O compromisso é de que eu seja indicada para presidir, senão a vaga fica com o PSDB”, disse, agradecendo a indicação publicado partido aliado.

Porém, Simone lembrou que precisa da indicação do próprio partido, o MDB, para ocupar o posto dentro da Casa. Quem faz a indicação é o líder da bancada, senador Eduardo Braga (AM), aliado de Renan Calheiros (AL), com quem Simone disputou a indicação para presidência do Senado e deixou o clima ruim dentro do partido.

Simone citou o esforço do PSDB, PSD e PSL na disputa pela indicação e disse que Renan Calheiros “não é um mito. O que até aquele momento era de que ele era um mito, que não poderia ser derrotado”, disse.

Agora, segundo a parlamentar, o Senado tem que cumprir o papel de mudanças no país. “Tivemos um papel importante na história da política num momento de crise do país. A partir de agora a população vai respeitar ainda mais”, disse, lembrando que houve renovação de 85% no Senado.

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2019

SENAD apreende no Paraguai, mais de duas toneladas de cocaína de facções brasileiras

Droga estava com dois homens e uma mulher presos na região de Yby Yaú
a 90 km de Ponta Porã
Fardos de cocaína e dois dos três traficantes ao lado de agentes da Senad (Foto: Divulgação)

Agentes da SENAD (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai apreenderam 2.200 quilos de cocaína na tarde desta quarta-feira (6) na fronteira com o Brasil. A droga foi encontrada na zona rural de Yby Yaú, no Departamento de Concepción, a 90 km de Ponta Porã.

Três traficantes foram presos em flagrante e identificados:
  • Pánfilo Barrios
  • Mario Ramón Ibáñez López
  • Sandra Zunilda Coronel
Autoridades paraguaias acreditam que a droga, vinda da Bolívia, pertence a uma das facções criminosas brasileiras instaladas na fronteira com Mato Grosso do Sul.

Um detalhe chamou a atenção da polícia nessa apreensão, é que os pacotes de cocaína tem o selo da maçonaria.

Essa é a segunda grande apreensão de cocaína em menos de um mês na região. Em Janeiro, a PRF (Polícia Rodoviária Federal) apreendeu 940 quilos de cocaína na BR-463, em Ponta Porã.

A droga seria do PCC (Primeiro Comando da Capital) e do narcotraficante Sérgio de Arruda Quintiliano Neto, o Minotauro, preso segunda-feira (4) em Balneário Camboriú. Pistas surgidas após a apreensão ajudaram a Polícia Federal a localizar o bandido no litoral catarinense.

A apreensão desta quarta em Yby Yaú foi divulgada no Twitter pelo ministro chefe da SENAD, Arnaldo Giuzzio. Segundo ele, os presos são dois homens e uma mulher. Eles estão sendo levados para Assunción, a capital do Paraguai.

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

Empresário flagrado dirigindo bêbado tentou subornar Policial Militar com dólares

Após receber autuação por dirigir alcoolizado o condutor ofereceu pagar
US$ 300 dólares aos policiais e foi preso em flagrante
Foto: Ilustrativa

Neste domingo (3) em Ponta Porã – a 346 quilômetros de Campo Grande, um suposto empresário paraguaio, de 52 anos, foi preso após ser flagrado dirigindo embriagado e em zigue-zague. Ele tentou subornar o policial com dólares.

Segundo o boletim de ocorrência, o motorista foi flagrado neste domingo (3) dirigindo em zigue-zague e ao ser abordado pelos militares não conseguia descer do carro, sendo ajudado pelo policial. O homem ainda sentou no meio da rua, já que não conseguia ficar em pé.

Com ele, estava outro homem também embriagado. Para os policiais o motorista disse ser empresário no Paraguai e que não sabia nem onde estava. Quando foi dada voz de prisão a ele, o autor tentou subornar os militares oferecendo US$ 300 dólares, valor de R$ 1.104.